Notícias


02/05/2020

Aprofundando a Palavra - Monsenhor Danival


“Eu vim para que tenham vida e a tenha em abundância.” (Jo 10,10)

Artigo do IV Dom. da Páscoa, 03-05-20

 

           

Neste domingo, dia mundial de oração pelas vocações, a liturgia da Palavra nos apresenta Jesus como Bom Pastor. Como ovelhas, somos convidados a reconhecer sua voz e a segui-lo, pois Ele nos encaminha para águas repousantes e nos guia no caminho mais seguro. (cf. Sl 22,2-3). Aceitá-lo como nosso Pastor é reconhecê-lo como o Senhor da nossa vida, que nos garante a vida em abundância (cf. Jo 10,10).

 

Jesus é o Bom Pastor que conhece suas ovelhas e chama cada uma pelo nome. Elas escutam a sua voz e o seguem. O relacionamento com as ovelhas é de proximidade, por isso, elas reconhecem a sua voz. Ao mesmo tempo, Jesus afirma: “eu sou a porta. Quem entrar por mim será salvo, entrará e sairá e encontrará pastagem” (Jo 10,9). Passar pela “porta” significa deixar-se encontrar pelo Cristo Bom Pastor, pois Ele mesmo disse “ninguém vai ao Pai senão por mim” (Jo 14,6). Assim, Jesus é o único mediador entre Deus e a humanidade, isto é, o mediador da nova aliança (cf. Hb 9,15).

 

Passar por esta “porta”, que é Jesus, significa participar da nova aliança, que Ele selou com a humanidade, e reconhecê-lo como único Senhor de nossa vida (cf. 1a leitura). Para participarmos desta aliança é necessária a conversão e, consequentemente, o Batismo para o perdão dos pecados (cf. At 2,38). Por isso, nós, que já fomos batizados, renovamos o nosso Batismo, na vigília pascal, morrendo com Cristo para os nossos pecados, a fim de vivermos para a justiça (cf. 1Pd 2, 24).

 

Deste modo, identificados com Cristo, pelo Batismo, renovamos a nossa missão de segui-lo, ouvindo a sua voz, reconhecendo-o como nosso Bom Pastor e guarda de nossas vidas (cf. 1Pd 2,25). Eis a condição para suportarmos com paciência as consequências da missão, sobretudo os sofrimentos e injúrias, pois também Cristo sofreu por nós, deixando-nos um exemplo, a fim de segui-lo no seu caminho de amor e serviço (cf. 1Pd 2,20-21).

 

Enfim, rezemos neste dia mundial de oração pelas vocações à luz da mensagem do Papa Francisco que nos encoraja a responder com generosidade ao apelo do Senhor: “Coragem! Sou Eu! Não temais” (Mt 14,27).

 

Mons. Danival Milagres Coelho