Notícias


14/02/2018

Aprofundando a Palavra


 
Mensagem da Quarta-feira de Cinzas

“E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa” (Mt 6, 4.15.18)

Inicia-se o tempo de conversão, que é a preparação para a celebração do Mistério Pascal do Senhor.   A Quaresma nos faz pensar nos 40 anos de caminhada do povo de Israel para a terra prometida, atravessando o deserto em vista da liberdade.
Neste tempo de conversão, somos convidados a fazer a nossa travessia, a viver a nossa experiência de deserto, tomando consciência de nossa fragilidade, aceitando que somos pó e ao pó voltaremos. A riqueza simbólica da imposição das cinzas está justamente nesta consciência que devemos ter de nossa fragilidade, de nossa fraqueza. Aceitar que somos pó é reconhecer nossa humanidade. Eis o primeiro passo para a conversão.
O segundo passo consiste em confrontar a nossa vida com a Palavra de Deus. Somente assim, podemos avaliar a nossa vida filial, a nossa vida fraterna e a nossa vida pessoal, ou seja, se sabemos viver a liberdade de filhos de Deus ou se vivemos como escravos de nossas paixões desordenadas e de nossos próprios interesses. Só um coração verdadeiramente livre é capaz de amar e servir gratuitamente.
Neste sentido é que Jesus nos convida a não praticarmos nenhuma obra de justiça só para sermos vistos pelos homens; ou seja, se fizermos caridade, se orarmos, se praticarmos o jejum, devemos fazer na gratuidade do amor, no desejo sincero e verdadeiro de conversão, sabendo que o nosso Pai, que vê o que está escondido, nos dará a recompensa (cf. Mt 6,4). 
De fato, Deus é benigno, compassivo, paciente e cheio de misericórdia (cf. Jl 2,13). Por isso, o profeta Joel nos convida a voltarmos para o Senhor com jejuns, rasgando o nosso o coração, ou seja, penitenciando-nos interiormente. Nesta perspectiva, São Paulo também nos exorta a reconciliarmos com Deus e não recebermos em vão a sua graça, pois Ele, neste tempo favorável, nos ouve e nos salva (cf. 2a leitura).
Por fim, somos chamados a viver a conversão comunitária através da Campanha da Fraternidade, cujo tema é “Fraternidade e superação da violência” e cujo lema é “Em Cristo somos todos irmãos” (Mt 23,8).


Pe. Danival Milagres Coelho.