Notícias


27/01/2018

Aprofundando a Palavra


 

Mensagem do 4º Domingo do Tempo Comum

“Cala-te e sai dele!” (Mc 1,25)

 

            A Liturgia da Palavra revela a força do Evangelho, da pregação de Jesus que tem o poder de libertar, causando admiração no povo, pois Jesus ensinava com quem tem autoridade e não como os mestres da Lei.

         Na 1a leitura, Deus promete ao seu povo um profeta semelhante a Moisés e Ele mesmo vai pedir contas a quem não escutar as palavras que o profeta pronunciar em seu nome (cf. Dt 18, 18-19). De fato, Deus enviou vários profetas para guiar e orientar o seu povo para não cair na idolatria, na injustiça social e na infidelidade à aliança. Porém, em Dt 34,10, constata-se que esta promessa ainda não se realizou, pois nenhum fora semelhante a Moisés.

         No Evangelho de hoje, a força da Palavra de Jesus revela que ele é este profeta esperado. Em At 3,21-22, Pedro reconhece que Jesus é o profeta não só semelhante, mas até mesmo superior a Moisés.

         De fato, na sinagoga de Cafarnaum, Jesus ensina com autoridade. Sua pregação, que é convite à conversão e à fé (cf. Mc 1,15), incomoda aquele homem possuído por um espírito impuro. Para Israel o “espírito impuro” é tudo aquilo que há conformidade com a morte; aquilo que é contrário do Espírito de Deus, que é amante da vida (cf. Sb 11,26). Portanto, trata-se de um homem de coração impuro, ou seja, dividido, fechado à Palavra da verdade, por isso questiona Jesus usando o plural – “O que queres de nós, Jesus Nazareno? – pois, se sente ameaçado pela verdade e tenta impedir que Jesus ensinasse.

         No entanto, Jesus responde no singular, revelando a força da Palavra que liberta: “cala-te e sai dele!” (Mc 1,25). Este exorcismo tem valor programático, pois toda a atividade de Jesus tem como fim a libertação do homem do espírito do mal que o faz escravo, a fim de que a pessoa se converta e viva na verdade e para o Senhor, sem outras preocupações (cf. 2a leitura). Enfim, Jesus nos ensina que é pela Palavra de Deus, cuja verdade liberta e salva, que se expulsam os espíritos impuros e não pelo nosso grito, como muitos querem fazer hoje.

 

Pe. Danival Milagres Coelho.