Notícias


10/05/2017

O Mês de Maria e a Política Brasileira


 

 
    Maio é o mês que a piedade popular identificou como o mês de Maria. Nessa ocasião, são grandes as demonstrações da fé e da religiosidade de nosso povo, em nossas comunidades. Coroações, procissões, orações do Santo Terço e Ofício de Nossa Senhora... Tudo isso contribui grandiosamente para a manutenção da fé e da piedade em nosso meio e, na simplicidade dos atos, perpetua grandes lições para a vida dos discípulos missionários de Jesus.
 
    Maria, profunda cumpridora da vontade do Pai, querendo a todo instante cooperar com o projeto salvador que seu Filho veio nos trazer, é um grande exemplo de preocupação com o bem comum de todos nós, especialmente dos mais necessitados. A Virgem, com o Filho no ventre, canta as maravilhas do Senhor, que, para vir ao mundo, ignora o que consideramos valioso, derruba os poderosos de seus tronos e exalta os humildes (Cf. Lc 1, 52).
 
 
    Um dos títulos de Maria mais devocionados nesse mês é o de Nossa Senhora de Fátima, em recordação às aparições de Maria aos três jovens pastores, em Portugal. Prestes a completar 100 anos no próximo dia 13, as aparições de Fátima trazem, ainda para os dias de hoje, uma atualidade muito grande e um grande caráter profético. Em um contexto europeu bastante conturbado, com o avanço de ideias bastante opostas ao que propõe o projeto de Deus, Lúcia, Jacinta e Francisco escutaram, dentre os pedidos de Maria, a necessidade de reparação e consagração dos homens a seu Imaculado Coração, para abandonarem suas rotinas de pecado.
 
    Hoje, de modo especial, não podemos ficar alheios e distantes, diante dos escândalos de corrupção e afrontas à dignidade do povo brasileiro que temos visto. As propostas das reformas trabalhista e da previdência, como nos alerta a CNBB, em sua 55ª Assembleia Geral, podem ter implicações drásticas, muito contribuindo para o aumento da miséria daqueles que mais precisam de nossa ajuda. O que é mais assustador, contudo, é que tudo acontece sem quase nenhuma transparência, impedindo o povo de participar ativamente das decisões cujas consequências ele mesmo sofrerá.
 
    Celebrar o mês de Maria vai muito além de simplesmente participar dos atos litúrgicos e de piedade popular. Louvamos Maria com nossa vida, fazendo tudo o que seu Filho nos diz (Cf. Jo 2, 5), muito especialmente, nesse momento em que vivemos, lutando por um Brasil melhor, longe da corrupção e da mentira a que estamos tão habituados.
 
   Que Maria, nos mostre como seguirmos o caminho de seu Filho Jesus, abandonando toda apatia e desinteresse pelo bem comum. Peçamos, de maneira especial, que a Virgem de Fátima peça a seu Filho por nossos governantes, para que eles não tenham outro objetivo que não seja servir incansavelmente aos mais necessitados, buscando justiça social e paz para todos.
 
 
José Mário Santana Barbosa