Notícias


08/06/2019

Aprofundando a Palavra


Mensagem do Domingo da Solenidade de Pentecostes

 

“Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (Jo 20, 22)

 

A Solenidade de Pentecoste é o coroamento do mistério pascal do Senhor, do qual participamos, celebrando a Nova Aliança de amor.

 

Na tradição judaica, a festa de Pentecoste era a festa das Semanas, celebrada depois de cinquenta dias da Páscoa (cf. Ex 34,22; Nm 28,26), em que se fazia a oferta das primeiras espigas e mais tarde ficou unida à recordação da aliança no Sinai.

 

Lucas narra a efusão do Espírito Santo no contexto da festa de Pentecostes celebrada pelos judeus no deserto (cf. Ex19,16-20). Daí a riqueza simbólica da narrativa através de elementos próprios dos relatos de teofania (vento – fogo) que revelam a dinamicidade e a força do Espírito Santo. O vento evoca o sopro (Ruah) vital de Deus (cf. Gn 2,7), por isso, o Espírito Santo é o Senhor que dá a vida; é também o fogo abrasador, que nos aquece com seu amor e nos impele para a missão, testemunhando a fé pela caridade.

 

Deste modo, somos convidados a viver um novo Pentecostes, vivendo a docilidade ao  Espírito Santo, a fim de que nos sintamos enviados pelo próprio Cristo – “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (Jo 20,22) – a continuar sua misssão. Em seguida, Jesus soprou sobre os discípulos o Espírito Santo, o Consolador, que Ele mesmo pediu ao Pai, a fim de que permanecesse com eles para sempre (cf. Jo 14,16).

 

Ora, sabemos que o mesmo Espírito Santo permanece conosco pelo Batismo que nos dá a identidade de Jesus e pela Crisma que nos faz configurados com o agir de Jesus, a fim de que coloquemos os nossos dons a serviço da bem comum (cf. 2a leitura).

 

Portanto, do mesmo modo que o Pai enviou o seu Filho, pela força do Espírito Santo, nós também somos enviados para dar continuidade à missão de Jesus. Por isso, nesta solenidade nos foi dada a nova Lei que é o Espírito Santo de amor, tornando-nos participantes da Nova e Eterna Aliança.

 

Pe. Danival Milagres Coelho