Notícias


29/12/2018

Aprofundando a Palavra - Mensagem da Sagrada Família


 

“Levanta-te pega o menino e sua mãe e vai para o Egito” (Mt 2,13)

 

    Dentro da oitava de Natal, a festa da Sagrada Família nos ajuda a compreender este mistério de amor: Deus assume nossa humanidade para que participemos da vida divina. Inserindo-se numa família, o Deus-conosco vem realizar seu plano de amor. 

A Sagrada Família foge para o Egito para proteger o menino Jesus, cuja vida estava ameaçada por Herodes. A fuga e a volta do Egito mostram a obediência de José ao plano de Deus, que na sua providência salva a vida de seu Filho. O leitor antevê o futuro caminho do Messias que realiza o êxodo definitivo, voltando para a terra de Israel, onde cumprirá sua missão.           

O exemplo da Família de Nazaré inspira a cada família a viver também a obediência à vontade de Deus e a participar do seu plano de amor. Para isso, é necessário viver a fé enquanto comunhão de amor com Deus e na obediência às orientações de sua Palavra.

A primeira orientação é para os filhos: honrar pai e mãe (cf. 1a leitura); a segunda é revestir-se de sincera misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, a fim de que o perdão possa reinar em nossas famílias como expressão do verdadeiro amor (cf. 2a leitura).

Por fim, uma orientação às esposas: “sede solícitas para com vossos maridos (Cl 3,18). Essa tradução ameniza a expressão original – “submetei-vos” – por ter sido interpretada numa perspectiva machista; o que não significa ser escrava. O original é mais rico quando se compreende o submeter-se não em relação ao autoritarismo do marido, mas sim ao amor e aos cuidados do amado, como o próprio contexto nos sugere: “maridos, amai vossas esposas e não sejais grosseiros com elas” (Cl 3,19).  

Portanto, a submissão ao amor que o casal se comprometeu a viver deve ser recíproca e esta reciprocidade se dá à medida que os dois se submeterem ao amor de Cristo (cf. Ef 5,21), que os torna amáveis. Assim, a exemplo da Sagrada Família, o matrimônio vivido como sacramento deve ser sinal visível do amor de Deus, através da gratuidade do amor e da doação da vida, a fim de que a pessoa amada seja feliz!

Pe. Danival Milagres Coelho