Notícias


25/08/2018

Aprofundando a Palavra


 
Mensagem do 21° D. T. C

“A quem iremos, Senhor? Tu tens palava de vida eterna.” (Jo 6,68)
 
 
    A liturgia nos convida a renovar nossa fidelidade a Deus, a exemplo do povo de Israel e de Pedro que nos inspiram a servir e seguir somente ao Senhor, o pão vivo para a vida do mundo, pois só Ele tem palavras de vida eterna. 
 
    Na 1a leitura, Josué reúne a tribo de Israel em Siquém e a coloca diante de uma escolha a fazer: “Se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei hoje a quem quereis servir” (v. 15). Após lembrar os feitos do Senhor em favor de seu povo, Josué confirma sua fidelidade dizendo: “quanto a mim e à minha família, nós serviremos ao Senhor” (v. 15). Em seguida, o povo reconhece a ação de Deus na libertação do Egito e responde com convicção: “nós também serviremos ao Senhor, porque ele é o nosso Deus” (v. 18b).
 
    No Evangelho, muitos dos que ouviram o discurso de Jesus sobre o pão da vida, murmuraram achando que foi uma palavra dura. Muitos discípulos, naquele momento, voltaram atrás e não andavam mais com Jesus. No entanto, Jesus não ameniza o que havia ensinado e procura esclarecer ainda mais, fazendo referência ao momento de sua páscoa, quando se fará pão vivo dado pela vida do mundo e voltará para onde estava antes, isto é, para junto do Pai. Neste momento, sem dúvida, o escândalo será ainda maior, justamente porque muitos não creram nele. 
 
    Em seguida, Jesus se volta para os doze e lhes pergunta se eles também querem ir embora. Pedro responde: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna” (v. 68). Só em Jesus encontramos a Palavra que salva, pois ao se apresentar como pão vivo dado para a vida do mundo, sua palavra silenciou, dando lugar a comunicação mais profunda do seu amor, na doação da própria vida. Esta lição do amor que se comunica em gestos de gratuidade e de sacrifício é que deve inspirar o amor entre nós, nas relações fraternas, e, de forma especial, o amor conjugal, como nos ensinou Paulo na carta aos Efésios (cf. 2ª leitura). 
 
Pe. Danival Milagres Coelho