Notícias


28/07/2018

Aprofundando a Palavra


Mensagem do 17° D. T. C.

“Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados”  (Jo 6,11)  
 
A liturgia da Palavra nos apresenta Jesus que realiza o sinal da multiplicação dos pães, convidando-nos a reconhecê-lo, por esse sinal, como o verdadeiro Profeta que deve vir ao mundo (cf. Jo 6,14).
A 1a leitura do segundo livro dos Reis é um paralelo ao episódio do Evangelho de hoje, pois narra a multiplicação dos pães dos primeiros frutos da terra que foram oferecidos a Deus. Eliseu pede para distribuí-los e com este gesto revela que tais dons eram fruto não só do trabalho humano, mas da bênção de Deus.
No Evangelho, diante da multidão, Jesus toma a iniciativa e questiona Filipe: “onde vamos comprar pão para que eles possam comer?” (Jo 6, 5). André apresenta cinco pães e dois peixes e questiona, o que é isso para tanta gente. Em seguida, Jesus “tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes” (Jo 6,11).
Em Mateus e Marcos, Jesus entrega os pães aos discípulos para distribuírem, mas João destaca a ação de Jesus, que pessoalmente distribuiu os pães, saciando a fome da multidão. Desta forma, João prepara o discurso do pão da vida e o significado da Eucaristia, em que Jesus mesmo se dá como alimento, fazendo de sua vida pão repartido. 
Portanto, o sinal realizado por Jesus fez com que as pessoas o reconhecessem como o Profeta esperado (cf. Dt 18,15.18). No entanto, por causa desse sinal queriam proclamá-lo rei, mas Jesus se retirou de novo sozinho, pois sua missão é anunciar a Boa Nova do Reino de Deus, ensinando as pessoas a viverem sob o senhorio do seu amor numa convivência fraterna e solidária. 
       Enfim, na 2a leitura São Paulo também nos exorta a viver esta comunhão que fazemos com Jesus na Eucaristia, vivendo de acordo com a vocação que recebemos, sobretudo, guardando a unidade do espírito pelo vínculo da paz e suportando uns aos outros com paciência no amor (cf. Ef 4,1-3).
 
 
Pe. Danival Milagres Coelho.