Notícias


03/03/2017

Monsenhor Geovane Fala em Entrevista Exclusiva ao Carandaionline


 

 

    Na reportagem de destaque desta semana, o Carandaionline conversou com o Monsenhor Geovane Luís da Silva que foi recentemente nomeado Bispo pelo Papa Francisco.
    Nascido na cidade de Barbacena, mas com toda infância e adolescência vivida em Carandaí, nosso entrevistado é o quarto filho do casal José Sabino da Silva e Antônia Ferreira da Silva, ele estudou Teologia Dogmática na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, onde obteve, em 2005, o título de mestre com a tese “Sacrosanctum Concilium 59: elementos de teologia sacramental” e possui Pós-graduação em Cultura e Arte Barroca pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).
    Padre Geovane tornou-se o 52º bispo que estudou no Seminário de Mariana.
    O primeiro filho de Carandaí a tornar-se Bispo recebeu nossa equipe com toda atenção e simpatia onde falou um pouco mais sobre sua vida.
 
    Na entrevista exclusiva, o padre contou detalhes sobre sua caminhada, desafios e planos para o futuro e deixou também uma mensagem para os fiéis carandaienses.
    A íntegra desta entrevista você pode conferir agora com exclusividade pelo portal de notícias Carandaionline:
 
Carandaionline: O que o motivou a abraçar a vida religiosa?
 
P. Geovane: Sou filho desta terra querida, Carandaí! A paróquia de Sant’Ana me viu crescer e modelou o meu coração para acolher o chamado do Senhor. Não poderia jamais esquecer o testemunho de fé que o povo desta terra me ofereceu. A vida e o testemunho de tantos irmãos e irmãs foram exemplo para mim e despertou o meu desejo de servir e o meu encanto pela vida de consagração a Deus. Recordo com afeto o nosso querido Mons. José dos Reis Alvim, presença marcante no meu caminho de discernimento vocacional.
 
Carandaionline: Quais os maiores desafios enfrentados na formação para a vida religiosa?
 
P. Geovane: A formação para o exercício do sacerdócio constitui um processo longo de discernimento e de abertura ao chamado de Deus. Cronologicamente este processo tem início, meio e fim, ou seja, o início e a conclusão daquela fase de permanência no Seminário, mas existencialmente este processo marca o ritmo da nossa vida inteira, pois somos eternos “aprendentes”! Agradeço a Deus pela sólida formação acadêmica, espiritual, humana e pastoral que recebi no Seminário de Mariana, onde pude conviver com os padres formadores de nossa arquidiocese e colecionar grandes amigos. Os desafios enfrentados são muitos, mas para mim o mais perigoso deles é a tentação de viver o ministério voltado para si mesmo caindo numa situação de ‘autocentralismo’. Recordo aqui a palavra do Profeta Ezequiel 34,2, proclamada durante a liturgia da minha
ordenação sacerdotal, no dia 21 de junho de 1997, em Carandaí: “Ai dos pastores que apascentam a si mesmos”.
 
Carandaionline: Como avalia a sua caminhada sacerdotal?
 
P. Geovane: Sou o que sou pela graça de Deus (1 Cor 15, 10)! Ao longo destes quase vinte anos de sacerdócio posso dizer que o Senhor sabe trabalhar e fazer grandes coisas com instrumentos frágeis e insuficientes. Sou muito feliz na minha vocação! Procurei exercer com zelo e espirito de comunhão todos os serviços que me foram confiados nas paróquias de Santa Ifigênia em Ouro Preto; Sagrado Coração de Jesus em Mariana e Nossa Senhora da Piedade em Barbacena. Atuei também no Seminário onde exerci diversas funções: Diretor de Estudos do Curso de Teologia, Diretor Espiritual, Professor, Formador, Coordenador da biblioteca. Dediquei-me também, durante cinco anos, na organização e revitalização do Museu Arquidiocesano de Arte Sacra. Participei de organismos diocesanos importantes tais como o Conselho Episcopal, Colégio de Consultores, Comissão Arquidiocesana de Bens Culturais, Equipe Arquidiocesana de Liturgia e Catequese. Enfim sou agradecido a Deus pela confiança em mim depositada e por tudo o que aprendi em nossa querida Arquidiocese. Recebi de todos os meus irmãos – bispos, presbíteros, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas – um grande legado espiritual e pastoral.
 
Carandaionline: Quando se fala na cidade de Carandaí, quais lembranças vem à sua mente?
 
P. Geovane: As colinas verdejantes revestidas pelas leguminosas de nossa terra. Quantas vezes durante minhas idas a Mariana, não resisti e parei para fotografar esta beleza natural. Os jogos competitivos entre o Carandaí e o Social nas tardes de domingo. Meu Pai era jogador do Carandaí e às vezes ele nos levava ao estádio municipal. O Jubileu da Padroeira e a oferta de rosas a Sant’Ana ao som do violino do Marcílio Biazutti. O Carnaval animado e de muito bom gosto na Praça Barão de Santa Cecília. As alvoradas festivas feitas pela Corporação Musical Santa Cecília. Tudo se concluía na casa do falecido Lambari, onde era servida aos músicos uma canja deliciosa. As comemorações civis ao som da fanfarra da Escola Estadual Deputado Patrus de Souza. A desolação do povo por ocasião da tempestade de granizo que causou muitos danos e sofrimentos, sobretudo aos mais pobres. A alegria de um povo que sabe fazer festa sempre e abrir o coração acolher.
 
Carandaionline:  Com qual frequência o senhor visita a cidade de Carandaí?
 
P. Geovane: Quase toda semana visito os meus pais. Geralmente o faço às segundas feiras. Lamento não poder celebrar com mais frequência como em tempos atrás. Antes era mais fácil, pois eu morava no Seminário de Mariana. Durante as férias eu permanecia vários dias em nossa terra.
 
Carandaionline:  Recentemente a comunidade católica carandaiense recebeu com muita alegria a notícia de sua nomeação pelo Papa Francisco como Bispo auxiliar. Como o senhor e sua família receberam esta notícia?
 
P. Geovane: A convocação para este serviço se deu no tempo do advento-natal, ciclo litúrgico que marca profundamente o ritmo da minha vida de fé, renovando-me espiritualmente. Respondi “sim” à missão que me foi confiada, estou consciente do desafio, mas ao mesmo tempo, sereno, feliz e confiante na graça de Deus. Confesso que fiquei surpreso e não esperava este chamado da Igreja para ser membro do Colégio Episcopal. Para mim, estava tudo muito claro e definido: concluiria minha vida ministerial nas comunidades de nossa arquidiocese – onde fosse preciso – e continuaria atendendo às solicitações de nossa Igreja Particular. Recebi a nomeação confiando na misericórdia de Deus que sabe trabalhar com instrumentos “insuficientes e frágeis” (1 Cor 1, 26-29). Estou fazendo minha experiência de liberdade e desapego. O povo tem me ajudado a compreender que é necessário partir para a missão, ir aonde Deus precisa da gente. Ele nos ama, chama e envia. Meus familiares receberam a notícia com grande alegria e emoção. Minha família sempre me apoiou e me deu forças.
 
Carandaionline: Dentre os muitos beatos e santos da Igreja Católica, existe algum que o senhor se identifique mais?
 
P. Geovane: Ao lado da Virgem Maria, a Senhora da Piedade, os Santos e Santas ocupam um lugar especial na minha espiritualidade. Eles vivem junto de Deus e ao mesmo tempo estão próximos a nós. Eles são um fragmento vivo do Evangelho. Dentre estes recorro a São José, São Luís de Gonzaga, à nossa Padroeira Sant’Ana. Rezo também ao Servo de Deus Dom Luciano e faço a seguinte oração: “Em nome de Jesus! Dom Luciano intercedei por nós”.
 
Carandaionline: Quais os desafios de ser um Bispo da Igreja Católica? O que muda em sua vida?
 
P. Geovane: O desafio que se impõe naturalmente a um bispo hoje é ser pastor com cheiro de ovelha. Ser sinal de esperança de misericórdia para o povo. A este propósito repito aqui um pensamento de São Francisco de Sales sobre o episcopado: “Penso que nós, os bispos, nunca devemos recursar-nos a ninguém, se queremos cumprir nosso dever. Havemos de ser como esses grandes chafarizes públicos onde todos tem o direito de buscar água, onde os homens e até os animais vem para matar a sua sede”.
 
Carandaionline:  Atualmente percebemos uma grande quantidade de igrejas e religiões espalhadas pelo mundo, inclusive com fanáticos que por vezes matam em nome de suas crenças, como o senhor avalia este tipo de comportamento e essa grande variedade de crenças espalhadas pelo mundo?
 
P. Geovane: Uma religião não pode abarcar ou aprisionar o mistério de Deus. A diversidade das religiões por um lado evidencia a grandeza do mistério de um Deus que é Amor. Esta compreensão de Deus unifica as grandes religiões do mundo, ou seja, o Islamismo, o Judaísmo e o Cristianismo. Quem mata em nome de Deus não compreendeu o que Ele é em si mesmo. Deus é misericórdia!
 
Carandaionline: O que o senhor diria para quem deseja ser padre no mundo de hoje? O que seria fundamental para seguir essa vocação?
 
P. Geovane: Na minha vida experimento que Jesus Cristo não apenas supre o que nos falta, mas Ele nos dá muito mais do que pedimos e merecemos. Vale a pena deixar tudo para segui-lo. Para abraçar esta vocação é fundamental a experiência de um encontro com Cristo e sentir-se abraçado pela sua misericórdia (Mc 5,19).
 
Carandaionline: Quais são os seus planos para o futuro?
 
P. Geovane: Servir com amor e abrir-me às surpresas de Deus, pois minha vida e ministério estão nas mãos d’Ele.
 
Carandaionline: Qual a mensagem gostaria de deixar para os fiéis de nossa tão amada cidade de Carandaí?
 
P. Geovane: Meus queridos irmãos e irmãs, quero lhes agradecer todo o afeto recebido e as manifestações de alegria pela minha nomeação episcopal. Sinto-me honrado pela pertença real e afetiva a esta comunidade tão querida. Renovem-se a cada dia na esperança e na fé em Deus, pois assim, vocês serão capazes de lutar, correr, trabalhar sem se cansar, e permanecerão firmes na alegria, no amor que acolhe e na generosidade que lhes é tão peculiar. Rezem por mim para que eu seja fiel à grande missão que me foi confiada.