História da Paróquia


 

 

A simples Ermida e a imponente Igreja Nova

 


 

 

 

    A atual cidade de Barbacena nasceu na cabeceira do Rio das Mortes, local inicialmente habitado por índios purís. A região começou a ser explorada a partir do século XVII por bandeirantes oriundos de São Paulo à procura de ouro, pedras preciosas e mão de obra escrava. Os bandeirantes se estabeleceram na Borda do Campo (Campolide), onde erigiram a capela de Nossa Senhora da Piedade no ano de 1711, ao lado da Fazenda da Borda do Campo, de propriedade, desde o fim do século XVII, dos bandeirantes capitão-mor Garcia Rodrigues Paes e de seu cunhado coronel Domingos Rodrigues da Fonseca Leme e, por carta de sesmaria, desde 1703. Tal fazenda estava localizada às margens do Caminho Novo da Estrada Real para o Rio de Janeiro, empreendimento iniciado às expensas do capitão-mor Garcia Rodrigues Paes em 1698 e que Domingos Leme ajudou a concluir. Garcia Rodrigues Paes também recebeu carta de sesmaria das suas posses antigas na Borda do Campo em 1727. A propriedade, tempos depois, passou às mãos do inconfidente José Ayres Gomes.
    No ano de 1725, o quarto bispo do Rio de Janeiro, frei Dom Antônio de Guadalupe criou a Freguesia de Nossa Senhora da Piedade, que teve a antiga capela como matriz provisória até 1730, quando a sede foi transferida para a Capela de Nossa Senhora do Pilar na Fazenda do Registro Velho, (atual Sá Fortes) capela esta que caiu em ruínas e desapareceu por completo em meados do século XIX. O primeiro vigário foi o Pe. Luiz Pereira da Silva.
    Em 27 de novembro de 1748, a freguesia foi definitivamente transferida para a Igreja Nova de Nossa Senhora da Piedade (atual matriz).

 

 

 

 

    No ano de 1749 foi fundada a Irmandade do Santíssimo Sacramento que deu continuidade às obras e adquiriu para a matriz valiosos objetos sacros de prata e imagens diversas. No ano de 1751 foi erigida a Irmandade de São Miguel e Almas e a Primitiva Irmandade do Carmo, que em 1890 originaria a Venerável Ordem Terceira do Carmo de Barbacena. Em 1754 foi fundada na Matriz da Piedade a Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte e anos mais tarde a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos pretos, que em 1770 iniciou a construção de uma Igreja própria; tal irmandade só obteve aprovação régia em 1809. Durante quase três séculos mais de trinta paróquias se desmembraram do território inicial da Paróquia da Piedade.

    Hoje, com quase três séculos de história, a Paróquia Primaz de Barbacena é formada por nove comunidades situadas em dois setores: Setor  I (Nossa Senhora da Piedade, Rosário e São Geraldo) e Setor II ( Nossa Senhora das Graças, Nossa Senhora Aparecida, São Cristóvão, São Jorge, Santa Cecília e Santa Ifigênia).

 
Párocos


1.° – Pe. Luís Pereira da Silva (1726-27)
2.° – Pe. Luiz Antônio de Castello Branco (1727-32)
3.° – Pe. José de Freitas (1732-40)
4.° – Pe. José Felipe de Gusmão e Silva (1741)
5.° – Pe. José de Freitas (1774-42)
5.°a – Pe. Simão Gonçalves de São José – interino (1742-43)
6.° – Pe. Manoel da Silva Lagoinha (1743-46)
7.° – Pe. Manoel de Loureiro (1746-47)
8.° – Pe. Francisco de Almeida Faria (1748)
8.°a – Pe. Manoel Pereira de Azevedo – interino (1748)
9.° – Pe. Antônio Pereira Henriques (1748-50)
10.° – Pe. Antônio de Lima Soares (1750-51)
11.° – Pe. Jerônimo da Fonseca Alves (1751-52)
12.° – Pe. Feliciano Pita de Castro [Primeiro Vigário Colado] (1752-84)
12.°a – Pe. Luiz Gonzaga Pereira – interino (1769-72)
12.°b – Pe. Dr. João Soares Aranha Brandão – interino (1772-79)
12.°c – Pe. José Dias dos Santos – interino (1779)
12.°d – Pe. Manoel Antônio de Faria Moreira – interino (1784)
12.°e – Pe. Antônio Monteiro de Souza Galvão – interino (1784-86)
13.° – Pe. Agostinho Pita de Castro [Segundo Vigário Colado] (1786-1816)
13.°a – Pe. Manoel José de Oliveira – interino (1816-17)
14.° – Pe. José Joaquim Ferreira Armond (1817-20)
15.° – Pe. Antônio Marques de Sampaio [Terceiro Vigário Colado] (1821-39)
16.° – Pe. Joaquim Camilo de Brito [Quarto Vigário Colado] (1839-56)
16.°a – Pe. José Joaquim Corrêa de Almeida – interino (1846-47 e 56-57)
17.° – Pe. Jerônimo Gonçalves da Silva Macedo (1857-58)
18.° – Pe. José Augusto de Almeida (1881)
19.° – Pe. José Augusto Ferreira da Silva (1882-98)
19.°a – Pe. José Maria Ferreira Velho – interino [nomeado não tomou posse] (1898)
19.°b – Pe. Antônio Carlos de Castro – interino (1898) e
19.°c – Pe. Silvino Ferreira de Castro – interino (1898) [cumulativamente o 19.°b e 19.°c]
20.° – Pe. Marcos José de Oliveira Lopes (1898-1900)
20.°a – Pe. Antônio Carlos de Castro – interino (1900-01)
21.° – Pe. Júlio José Ferreira [não tomou posse] (1901)
22.° – Pe. Antônio Carlos de Castro (1901-08)
23.° – Pe. Francisco Lopes de Araújo (1908-18 e 23-32)
23.°a – Pe. José Custódio Brandão Guedes – interino (1917-20)
23.°b – Pe. Raul de Azeredo Coutinho – interino (1932-34)
24.° – Pe. Raul de Azeredo Coutinho (1934-42)
24.°a – Pe. Aristides Clemente Teixeira – interino (1942-43)
25.° – Pe. José da Silva Lobo (1943-49)
25.°a – Pe. Cícero Sales – interino (1948-49)
26.° – Pe. Mário Quintão (1949-67)
27.° – Pe. José Alvim Barroso (1967-86)
27.°a – Pe. Joaquim Pessoa Machado – interino (1986)
28.° – Pe. Paulo Dionê Quintão (1986 a 2003)
29.° – Pe. José Antônio de Oliveira (2003 a 2011)
30.° – Mons. Geovane Luís da Silva (2011 a 2017)
31.° – Pe. Isauro Sant'Ana Biazutti - Adm. Paroquial (2017)
32.º - Pe. Danival Milagres Coelho (2017...)